compartilhe>

Apreensões realizadas por agentes prisionais no último final de semana, 15 e 16 de dezembro, nas unidades da região Noroeste do Estado. Apresentamos o resultado do trabalho realizado por trabalhadores penitenciários de Bauru, Avanhandava, Franca, Marília e Ribeirão Preto.

Bauru

No domingo, (16/12), uma visitante passava por revista através do equipamento scanner corporal do Centro de Detenção Provisória “ASP Francisco Carlos Caneschi” de Bauru, quando a imagem atestou a presença de corpo estranho na região genital da mulher. Ao ser questionada, a visitante confessou que havia introduzido em seu corpo um invólucro contendo aparelho de telefonia celular. Levada a uma sala reservada na presença de agentes femininas, a mesma retirou voluntariamente um objeto em formato cilindro envolvido em fita adesiva, onde estava o telefone celular desmontado e com chip.

 

Avanhandava

Domingo (16/12), a revista no escâner corporal da Penitenciária “Valdic Junio Alves Primo” de Avanhandava revelou que uma visitante trazia algo oculto em seu corpo. Indagada, ela confessou que trazia maconha e, conduzida a uma sala reservada junto a Agentes de Segurança Penitenciária Femininas, ela retirou espontaneamente um objeto que trazia maconha, pesando quase 64 gramas.

 

Franca

Seis apreensões de ilícitos foram realizadas na Penitenciária de Franca pelos Agentes Penitenciários da unidade.

Logo no início dos trabalhos para entrada de visitantes na unidade, uma mulher foi interceptada após imagem do scanner corporal denunciar volumes anormais na região abdominal. Confrontada, ela assumiu que tentava introduzir entorpecentes na unidade, sendo seu marido o destinatário. Acompanhada por agentes femininas, em uma sala reservada ela retirou de seu corpo, dois volumes envoltos em fita adesiva parda que, abertos evidenciaram maconha. Pesados os entorpecentes pesaram 106 gramas. 

Um pouco mais tarde, outra mulher foi pega com maconha. Desta vez, enquanto passava pela revista, um funcionário notou um volume estranho na mão da mulher. Perguntada, ela entregou o volume ao funcionário, um pacote envolto em fita adesiva parda. Aberto, verificou-se que era maconha, com peso de 56 gramas.

Logo depois, uma visitante passava pelo procedimento de revista pelo escâner corporal e foi detectado na imagem um volume estranho em seu corpo. Indagada pelo Diretor de Plantão a mulher se disse não portar nada consigo e começou a desferir xingamentos e palavras de baixo calão ao servidor. A polícia militar, que mal havia deixado o local, compareceu para conduzir a mulher até o hospital para exames, quando esta informou portar droga dentro de sua bolsa. A bolsa foi revistada na portaria e onde foi encontrado um invólucro contendo possivelmente maconha. Posterior a esse fato ela confessou que também tinha droga escondida em seu corpo, conforme flagrou o scanner corporal e, em sala reservada retirou o entorpecente e entregou a Policia que a prendeu em flagrante.

A quarta visitante foi flagrada com as drogas escondidas em seu corpo. O scanner corporal, denunciou o objeto estranho dentro do corpo da mulher. Perguntada ela não demonstrou resistência e prontamente confirmou que portava substâncias ilícitas. Acompanhada por agentes femininas até uma sala fechada, ela retirou do corpo cerca de 81 gramas do que provavelmente seja maconha.

Nem 40 minutos se passaram e mais uma mulher, com a mesma “artimanha” e com o mesmo “produto” foi pega por imagem do escâner corporal. Assumindo de pronto portar drogas em seu corpo, ela retirou de seu corpo, em sala reservada e escoltada por agentes femininas, cerca de 53 gramas de erva análoga a maconha.

Agentes penitenciários do plantão do último domingo, dia (16/12), faziam a sexta apreensão a maconha em sua parte intima, descoberta ao passar pelo scanner corporal. E o final também foi igual aos demais

   

    

  

Marília

No domingo, (16/12), uma senhora passava pelo procedimento de revista no equipamento de inspeção corporal, scanner corporal, da Penitenciária de Marília quando a imagem gerada despertou dúvidas sobre algum ilícito em sua calça e sutiã. A mesma foi acompanhada por funcionárias (agentes de segurança penitenciária) até outra sala para verificar do que se tratava. Perguntada, a visitante disse que portava entorpecentes e retirou uma porção de cocaína, de seu sutiã e duas porções de maconha, da sua calça.

 

Ribeirão Preto

No domingo, (16/12), uma mulher passava por revista pelo scanner corporal, na Penitenciária de Ribeirão Preto, quando a imagem atestou positivo para presença de objetivo na região genital. A mesma foi acompanhada por agentes femininas até uma sala reservada e, quando indagada, confirmou ter introduzido ilícito em seu próprio corpo. Voluntariamente, retirou de sua genitália um invólucro feito com fita adesiva acondicionando erva com características de maconha.

Conforme a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), todos os casos foram registrados por meio de boletim de ocorrência e os visitantes flagrados foram automaticamente suspensos do rol de visitas. Em cada uma das apreensões, os presos foram isolados e respondem a Procedimento Disciplinar para apurar a cumplicidade daqueles que receberiam os materiais ilícitos.

Leia a matéria:

http://www.sap.sp.gov.br/noticias/pauta-19-12-18.html#top