compartilhe>
Salvador/Bahia - Agentes penitenciários descobriram buraco em cela e impediram fuga de detentos na Cadeia Pública de Salvador do Complexo Penitenciário da Mata Escura, nesta segunda-feira (24). O buraco foi descoberto após servidores encontrarem um vídeo da escavação e conseguirem identificar o local. A ação impediu que dez presos escapassem. Todos os envolvidos já foram identificados.
 
#ForaTemer #PolíciaPenal #ContraPEC287
FORTALEÇA A LUTA, FILIE-SE

 

Detentos chegaram a escavar túnel, descoberto durante fiscalização de rotina

Agentes de segurança penitenciária conseguiram impedir presos do Centro de Detenção Provisória(CDP) de Caraguatatuba de fugirem da unidade por um túnel feito na quadra do pátio do pavilhão 5. O buraco, com cerca de um metro de profundidade, foi aberto pelos sentenciados mas acabou descoberto na última sexta-feira, 28/07. A informação sobre o episódio, no entanto, só foi divulgada pela Secretaria de Administração Penitenciária(SAP) na segunda-feira.

Devido à tentativa de fuga, a diretoria da unidade decidiu suspender as visitas que seriam feitas durante o final de semana aos detentos do pavilhão onde estava o túnel, além de isolar os presos que foram identificados como os responsáveis por cavá-lo. A SAP abriu uma sindicância para apurar como os sentenciados conseguiram ferramentas e de que forma agiram.

Funcionários fecharam o buraco com concreto e fizeram uma blitze em toda unidade nesta segunda-feira, 31/07, com o objetivo de encontrar possíveis objetos utilizados para abrir o buraco, além de outras contravenções.

O CDP de Caragatatuba está superlotado, com uma população atual de 1.270 presos, sendo que sua capacidade é para apenas 847 sentenciados.

 

A Câmara Municipal Araraquara aprovou por unanimidade, no dia 28/06, moção de apoio aos trabalhadores penitenciários por sua luta contra a Reforma da Previdência. O documento pondera que os agentes estão sendo tratados de forma injusta pelo Congresso e pelo governo Michel Temer por serem submetidos às mudanças previstas na Proposta de Emenda Constitucional(PEC) 287/2016, que estabelece a reforma.

 

A moção foi redigido pela vereadora Juliana Damus(PP), e esclarece que os agentes penitenciários exercem atividades insalubres e com alto grau de periculosidade. Esses riscos, na visão do SIFUSPESP, mostram que a categoria deve ser tratada de maneira diferenciada com relação à reforma, nos mesmos moldes das demais carreiras policiais e, assim, possam usufruir de sua aposentadoria com dignidade.

 

O documento também demonstra apoio ao pleito da categoria pela aprovação da PEC 308/2004, que cria a Polícia Penal e pode garantir mais segurança para o trabalho dos agentes.

 

Araraquara possui uma penitenciária com capacidade para receber 1.557 detentos, incluindo o anexo de detenção provisória, mas possui atualmente uma população de 1.974 presos, e onde trabalham muitos moradores do município.

 

Para o presidente do SIFUSPESP, Fábio César Ferreira, o apoio dos vereadores de Araraquara em solidariedade aos trabalhadores penitenciários é fundamental para que a categoria siga na luta continue lutando contra a reforma da previdência.

 

“Exigimos a manutenção dos direitos dos trabalhadores do sistema prisional, que se encaixam como uma das profissões mais perigosas do mundo. Nossa expectativa de vida média, que é de 45 anos, não é levada em consideração pelos governo e pelos congressistas que apoiam essa reforma. Com a nossa luta e o apoio dos legisladores dos municípios, acreditamos que podemos evitar que ela seja aprovada”, explica Ferreira.

 

A Câmara Municipal de Presidente Prudente aprovou por unanimidade, no dia 26/06, moção de apoio aos agentes de segurança penitenciária(ASPs) por sua luta contra a Reforma da Previdência. O documento explica que os ASPs estão sendo tratados de forma injusta pelo Congresso e pelo governo Michel Temer por serem submetidos às mudanças previstas na Proposta de Emenda Constitucional(PEC) 287/2016, que estabelece a reforma.

 

A moção foi redigido pelo vereador Anderson Silva(PSB), e mostra que os agentes penitenciários exercem atividades insalubres e com alto grau de periculosidade. Esses riscos, na visão do SIFUSPESP, deixam claro que a categoria deve ser tratada de maneira diferenciada com relação à reforma, da mesma maneira como as demais carreiras policiais e, assim, usufruir de sua aposentadoria com dignidade.

 

Presidente Prudente é um dos municípios mais importantes da região oeste do Estado de São Paulo. A Penitenciária instalada na cidade, com capacidade para receber 943 detentos, possui atualmente uma população de 1.850 sentenciados.

 

Para o presidente do SIFUSPESP, Fábio César Ferreira, o apoio dos vereadores de Presidente Prudente em solidariedade aos trabalhadores penitenciários é fundamental para que a categoria siga na luta contra a reforma da previdência.

 

“Queremos a manutenção dos direitos dos trabalhadores do sistema prisional, que se encaixam como uma das profissões mais perigosas do mundo. Nossa expectativa de vida média, que é de 45 anos, não é levada em consideração pelos deputados e senadores que apoiam essa reforma”, reitera Ferreira.

Ressaltando a união dos trabalhadores penitenciários na luta contra a Reforma da Previdência e exaltando sua atividade como fundamental para o cumprimento da pena por parte dos sentenciados, a Câmara Municipal de Andradina aprovou por unanimidade requerimento para conceder moções de aplausos, apoio e congratulações à categoria. O documento foi ratificado no último dia 14/06.

 

De autoria do vereador Silas Carlos de Oliveira(PDT), presidente da Casa Legislativa, o requerimento esclarece ainda que os trabalhadores penitenciários enfrentam uma rotina de superlotação e déficit de funcionários nas unidades prisionais, o que colabora para um aumento de casos de estresse, depressão e doenças ocupacionais, reduzindo e muito a já baixa expectativa de vida da categoria.

 

Andradina possui uma penitenciária com altos índices de superlotação, atingindo atualmente uma população de 1.983 detentos para uma capacidade para receber apenas 829 presos, uma estatística preocupante que afeta diretamente a falta de segurança para que o trabalhador penitenciário possa cumprir com seu expediente sem riscos.

 

O reconhecimento do trabalho dos agentes prisionais por parte da Câmara Municipal de Andradina é vista como de grande valia pelo SIFUSPESP, que busca o apoio dos legislativos municipais para que a categoria seja valorizada e, assim, possa continuar lutando para que os servidores não sejam injustiçados caso a Proposta de Emenda Constitucional(PEC) 287/2016 seja aprovada pelo Congresso Nacional.

 

A Câmara Municipal de Dracena aprovou por unanimidade, no dia 19/06, moção de apoio aos agentes de segurança penitenciária(ASPs) por sua luta contra a Reforma da Previdência. O documento explica que os ASPs estão sendo tratados de forma injusta pelo Congresso e pelo governo Michel Temer por serem submetidos às mudanças previstas na Proposta de Emenda Constitucional(PEC) 287/2016, que estabelece a reforma.

 

A moção foi redigido pelo vereador Higor Tossato(PDT), e mostra que os agentes penitenciários exercem atividades insalubres e com alto grau de periculosidade. Esses riscos, na visão do SIFUSPESP, deixam claro que a categoria deve ser tratada de maneira diferenciada com relação à reforma, da mesma maneira como as demais carreiras policiais e, assim, usufruir de sua aposentadoria com dignidade.

 

Dracena possui uma penitenciária com capacidade para receber 844 detentos, possui atualmente uma população de 1.508 sentenciados, de acordo com dados da Secretaria de Administração Penitenciária(SAP).

 

Para o presidente do SIFUSPESP, Fábio César Ferreira, o apoio dos vereadores de Presidente Prudente em solidariedade aos trabalhadores penitenciários é fundamental para que a categoria siga na luta contra a reforma da previdência.

A Câmara Municipal de Santo Expedito aprovou por ampla maioria, no dia 21/06, moção de apoio aos agentes de segurança penitenciária(ASPs) por sua luta contra a Reforma da Previdência. O documento explica que os ASPs estão sendo tratados de forma injusta pelo Congresso e pelo governo Michel Temer por serem submetidos às mudanças previstas na Proposta de Emenda Constitucional(PEC) 287/2016, que estabelece a reforma.

A moção foi redigido pelo vereador Vítor Norbiato Florentino(PRB), e mostra que os agentes penitenciários exercem atividades insalubres e com alto grau de periculosidade. Esses riscos, na visão do SIFUSPESP, deixam claro que a categoria deve ser tratada de maneira diferenciada com relação à reforma, da mesma maneira como as demais carreiras policiais e, assim, usufruir de sua aposentadoria com dignidade.

Apesar de não possuir nenhuma unidade prisional em seu território, o município de Regente Feijó fica a apenas 42 km  de Presidente Prudente, onde existem importantes penitenciárias nas quais trabalham alguns dos cerca de 3 mil habitantes do pequeno município do oeste do Estado de São Paulo.

Para o presidente do SIFUSPESP, Fábio César Ferreira, o apoio dos vereadores de Santo Expedito em solidariedade aos agentes é muito importante para que a categoria siga na luta contra a reforma da previdência.

“Queremos a manutenção dos direitos dos trabalhadores do sistema prisional, que se encaixam como uma das profissões mais perigosas do mundo. Nossa expectativa de vida média, que é de 45 anos, não é levada em consideração pelos deputados e senadores que apoiam essa reforma”, reitera Ferreira.