compartilhe>

 

O que leva uma pessoa a cometer suicídio?

O que leva uma pessoa a, de repente, deixar a sua vida de forma tão abrupta?

Solidão? Depressão? Problemas sociais? Dificuldades financeiras? Luto? Stress?

Quais dores uma pessoa pode sentir para atentar contra a própria vida?

Quais situações que podem levar o indivíduo a cometer tamanha tragédia?

O que leva uma pessoa a tamanho desespero, com dores físicas e emocionais tão intensas que faz com que a sua vida torna-se um fardo.

Um fardo tão pesado a ponto de não conseguir mais carregá-lo?

O que faz a vida perder o sentido a ponto de não haver mais amigos, filhos ou família?

O que faz uma pessoa a achar que a única forma de escapar de tamanha dor e sofrimento seja dar fim ao bem mais precioso que ela tem?

De repente, o simples fato de pensar em fechar os olhos e acordar em outro lugar, em outra vida, trás toda a felicidade há muito perdida.

Então neste momento só há este caminho a seguir.

Talvez seja isto que aconteça e, “de repente, não mais que de repente”, perdemos o interesse por tudo o que um dia nos fez sentido.

E deixar de viver torna-se a única ou a melhor solução.

Não há uma regra clara que determina se vamos ou não cometer suicídio.

Não há situações específicas, tampouco, explicações.

 

Não devemos esquecer que uma das causas que podem desencadear o suicídio entre nossa categoria é o stress, principalmente o stress no ambiente de trabalho. E uma das consequências do stress pode ser a Depressão - uma das maiores, senão a maior causa de suicídio no mundo.

O agente prisional vive dia o medo e a angústia de exercer uma profissão totalmente insegura, que coloca a sua vida em risco, tanto no ambiente de trabalho, onde é vítima de ameaças, agressões, rebeliões, assim como fora dele, onde é vítima de atentados por parte do crime organizado ou não.

É vítima também do trabalho excessivo causado pela falta de funcionários e a superpopulação carcerária que impera nos presídios, penitenciárias e cadeias de todo o país. Do acompanhamento diário de vidas abandonadas à própria sorte pelo estado, que são amontoados em celas superlotadas sem um mínimo de condições de sobrevivência. Da proximidade com o sofrimento, a doença, a violência e a morte.

Junta-se a tudo isso uma falta de perspectiva de futuro, causado pelas atitudes de um governo que ignora a profissão e tudo que vem dela. Um governo que contrata pouco, mesmo sabendo da necessidade de funcionários. Que cria poucas vagas para a internação de novos sentenciados, deixando-os aglomerados, jogados, amontoados nas unidade prisionais. Um governo que exige dos seus subordinados uma conduta policial, mas que não os reconhece como tal. Um governo que não dá assistência médica nem psicológica aos seus funcionários. Que nega licenças médicas exigindo que funcionários doentes exerçam suas funções sem estarem devidamente preparados. Um governo que paga mal e que está há anos sem dar sequer a correção inflacionária aos seus profissionais, deixando muitos destes, endividados e reféns de bancos, morando em locais de risco, com alto grau de criminalidade, sendo assim reféns do crime organizado dentro e fora do ambiente prisional.

Quantos de nós já se foram?

Quantos agentes penitenciários decidiram pôr fim à sua vida de forma violenta e abruptamente neste ano?

Quais foram os motivos que os levaram a tomar tal decisão? Quais foram as causas? Solidão? Depressão? Problemas sociais? Dificuldades financeiras?Luto? Stress?

Não sabemos. A verdade é que a cada dia que passa vemos mais companheiros doentes. A cada dia que passa assistimos nossos companheiros de trabalho atentarem contra a própria vida. Tendo suas vidas ceifadas de forma vil e violenta, trazendo aos seus, amigos e familiares, muita dor. Deixando marcas irreparáveis. Destruindo famílias inteiras.

De quem é a culpa? Minha? Sua? Nossa? De todos nós, que preocupados com nossas vidas pessoais, absortos em nossos problemas diários não vimos os sinais dados por eles no decorrer dos dias ou dos anos. Que nos acostumamos com as circunstâncias a nós impostas de tal forma a ignorar ou não enxergar os problemas dos nossos companheiros de trabalho, achando que tudo é normal: a tristeza, a apatia, o desânimo, a solidão, o stress, a depressão, achando que tudo é passageiro, mesmo, quando não é?

Ou, de um sistema falido que tira todas as nossas forças, nos exauri de tal maneira, que nos deixa tão fracos, tristes, deprimidos, levado-nos a cometer tamanha tragédia? Um sistema que nos deixa à margem de tudo e de todos, que quer de nós somente o trabalho que podemos dar, e nada mais. Um sistema que nos trata como números, que ora nos adiciona e ora nos subtrai.

Quantos de nós serão subtraídos pelas próprias mãos? Quantos mais serão?

Quantos de nós ainda perecerão até tomarmos a decisão de nos unir e exigir os nossos direitos?

Direitos como cidadãos. Direitos como profissionais.

Quantos de nós perecerão até levantarmos uma só bandeira: A bandeira dos Agentes de Segurança Penitenciária e exigir para a nossa categoria um tratamento digno e respeitoso, com melhores condições de trabalho, melhores salários, e acompanhamento psicológico e psiquiátrico decente, capaz de diminuir, e talvez, até erradicar casos como estes os quais estamos vivendo?

Quantos de nós ainda perecerão até pararmos de achar que tudo o que acontece conosco é normal ou ócios do ofício?

Quantos de nós ainda perecerão até pararmos de aceitar tudo o que nos é imposto de forma pacífica, esperando e rezando, que o nosso, não seja o próximo nome na lista do obituário? 

Marc Souza

O CVV - Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email, chat e Skype 24 horas todos os dias.

Ligue 141 ou acesse http://www.cvv.org.br/

 
 Marc Souza - Agente Penitenciario, Escritor e Diretor do Sifuspesp


 

 

 

Comentários   

0 #1 rivotram o que faz 10-09-2017 16:33
Sou realmente grato ao o dono deste blog que compartilhou este
fantástico post. Eu sou um leitor recorrente deste blog.

Muito bom!
Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar